Selecione seu Estado São Paulo
Quarta-Feira, 26 de Janeiro de 2022


E-mail:
Senha:
Cadastre-se Login
Acessando.... Erro ao acessar. Esqueceu sua senha?

‘Faraó dos Bitcoins’ oferecia seguro de vida em seu nome como garantia para atrair grandes investidores

Fonte: CQCS Data: 25 outubro 2021 Nenhum comentário

Segundo o MPF, Glaidson dos Santos colocava o investidor como beneficiário para cliente não perdesse seu investimento caso algo acontecesse com ele. Modalidade só era válida para grandes quantias.

 

A denúncia do Ministério Público Federal, com base em investigação da Polícia Federal na “Operação Kryptos” contra Glaidson Acácio dos Santos revela detalhes de como o “Faraó dos Bitcoins” atraía novos investidores.

Segundo o MPF, para contratos mais expressivos, e pelo fato do dinheiro investido se tornar inacessível ao cliente – que, na maioria das vezes, desconhecia por completo o paradeiro –, as equipes da GAS Consultoria Bitcoin eram orientadas a oferecer como garantia a possibilidade de contratação de um seguro de vida em nome do próprio Glaidson – com o investidor como beneficiário.

Assim, se algo acontecesse ao “Faraó”, o investidor não sairia de mãos abanando. A oferta só era feita para grandes somas. Os valores não foram especificados na denúncia.

Tentativa de legalizar o negócio

Ministério Público Federal relata ainda na denúncia aceita pela Justiça que, em maio de 2018, Glaidson e alguns de seus sócios teriam feito contato com um escritório de consultoria jurídico-contábil, na tentativa de conferir uma formatação lícita às atividades que já estariam desempenhando.

A ideia era constituir uma corretora de títulos e valores mobiliários, mas a resposta do escritório indicava a submissão do negócio ao Banco Central, o que nunca teria acontecido.

Como a tentativa de legalizar o negócio saiu frustrada, Glaidson, segundo o MPF, resolveu montar uma rede de empresas para dar aparência de legalidade ao negócio.

Em 2019, ele estruturou a Tronipay Soluções em Pagamento e Cartão LTDA para processar pagamentos e recebimento de valores por diversos meios, inclusive emissão de cartões de crédito, aproveitando-se de uma estrutura já existente da empresa e que contaria com cerca de 11 mil usuários.

Posteriormente, essa empresa teria virado apenas Tronipay para promover a venda de uma criptomoeda própria, a Tronipay (TRP).

Em 2020, outra pessoa jurídica, previamente constituída para gerir recursos de terceiros, foi adquirida sob o nome de Quântico Bank. Ela foi registrada em nome de terceiros, mas o MPF afirma que Glaidson era o verdadeiro dono e que a empresa era um fintech.

Todas essas empresas e negócios, ainda segundo o MPF, ajudavam a “subverter restrições que lhe estariam sendo impostas pelo Sistema Financeiro Nacional, dado o funcionamento pretensamente irregular do grupo GAS”.

O MPF acredita que as estruturas preexistentes da Tronipay e do Quântico Bank davam “progressiva autossuficiência [à GAS] como instituição financeira clandestina”.

Glaidson Acácio dos Santos, dono da GAS Consultoria Bitcoin, foi preso no dia 25 de agosto na “Operação Kryptos”, da Polícia Federal, do Ministério Público Federal e da Receita Federal por suspeita de pirâmide financeira e ludibriar o Sistema Financeiro Nacional.

 

Para participar e deixar sua opinião, clique aqui e faça login.

 

Últimas

 

agencialink.com é o nome fantasia da Raz&aatilde;o Social:
ART Tecnologia de Sistemas S/S Ltda.
CNPJ: 10.199.185/0001-69
Av. Jabaquara, 2860 - Sobre Loja - S&aatilde;o Paulo, SP - 04046-500 - Brasil