Selecione seu Estado São Paulo
Quarta-Feira, 03 de Junho de 2020


E-mail:
Senha:
Cadastre-se Login
Acessando.... Erro ao acessar. Esqueceu sua senha?

Fábio Luchetti errou na opinião que expressou no Facebook?

Fonte: Segs Data: 13 fevereiro 2020 Nenhum comentário

Fábio Luchetti foi um dos maiores CEO do Brasil. Admirado, educado, respeitoso, com mente aberta para os sistemas de comercialização e colocando o corretor de seguros no seu devido lugar: Na intermediação e na defesa do Consumidor de Seguros. Dois pilares absolutamente insubstituíveis.


Fábio, ex-presidente de uma empresa líder em inovação, trabalha há mais de 30 anos na indústria do seguro e a conhece como poucos o mecanismo e as dificuldades que enfrentam as congêneres. Isto já fala por si só, dó-ré-mi-fá-sol-lá- si. É música aos ouvidos o fato de termos gente absolutamente competente nas companhias seguradoras!

No comparativo, no modelo que ele administrou, a Porto Seguro é uma das mais bem preparadas empresas para vender seguros diretamente ao cliente, mas entende que o corretor de seguros é necessário na intermediação. E o motivo é simples: A venda do seguro é complexa. Simplesmente complexa! Lógico que essa indústria tenta descomplicar. Mas os governos atuam conforme seus prazeres conceituosos. E comparo o arcaico modo preterista ao moderno salto de pensamento, que esbarra no dogma contra o corretor e pune quem sempre quis inovar - no caso as companhias seguradoras.

Eu mesmo entendo que Luchetti está sendo absolutamente sábio neste movimento opinativo. A roda já foi criada. Não dá para inventá-la de novo. Mas dá para aprimorá-la. E é justamente o raciocínio lógico que eu enxerguei nesse museólogo e artista que defendeu a figura do corretor.
Eu tenho que ser sincero: Mudou muita coisa para melhor na perspectiva de governança. Mas neste caso da infâmia ao profissional da corretagem, neca de pitibiriba!

Aliás, quando Luchetti defende o corretor, na realidade ele está defendendo o Mercado Segurador e os Consumidores de Seguro.

Fábio Luchetti não errou. Ele acerta também na questão do seguro digital. A Indústria sempre foi refém de decisões governamentais. E as decisões travavam qualquer anseio. Agora há uma abertura generalizada e o Mercado não está preparado. Por isso que não há culpa que não provenha primeiramente dos governos. Mas há que surfarmos nessas ondas libertadoras, sem contudo, naufragar na intempérie. O que eu estou tentando dizer é que a nova superintendência colocou o motor de Ferrari em uma Vemaguet. Tem que ajustar a relação ou vai capotar na primeira curva.

Pra encerrar eu vou escrever uma frase que vi na internet e desconheço o autor:

"Não é preciso inventar a roda, mas tão somente se movimentar nela".

 

Para participar e deixar sua opinião, clique aqui e faça login.

 

Últimas